fbpx
×
Whatsapp Whatsapp Whatsapp Email Whatsapp Telefone

Coalho superior e ajustes na produção: Os ingredientes para uma receita de R$ 8 milhões

Compartilhe:

O grupo do ATeG Agroindústria Derivados Lácteos anunciou recentemente, em Santo Antônio do Jacinto, o grande sucesso de um de seus programas. Uma parceira do SENAR MINAS e do Sindicato dos Produtores Rurais de Jacinto, as mudanças implementadas permitiram um aumento de 10,33% na produção, gerou mais de R$700 mil de faturamento e uma receita bruta anual de R$8 milhões.

Os resultados foram obtidos graças às alterações e melhorias implementadas pela técnica de campo do SENAR, Luciana Godinho. Entre as mudanças que ajudaram a alcançar o resultado, ela cita: Utilização de lira, adequação de ponto de corte da massa, ‘mexedura’ da coalhada, utilização de coalho de melhor performance e custo (adquirido em compra coletiva) e a adequação de padrões na higiene da produção.

“[…]O casal Luziano Aparecido Queiroz de Araújo e Geisla Pereira de Carvalho relembra o início do atendimento do ATeG. Segundo Geisla, tudo era feito na correria, e a técnica de campo mostrou que precisava de atenção para ter resultado. ‘Aprendemos a ter mais paciência e fizemos alterações na produção. Não usávamos lira e o nosso coalho hoje é com a quimosina. Gastávamos dez litros de leite para fazer uma peça de queijo e era uma festa quando isso acontecia, pois achávamos que estava ótimo. Hoje, gastamos menos de nove litros‘, confessou.[…]”

O Macalé, mantendo seu foco em ajudar a todos os laticinistas não importando o tamanho da produção, se alegra em poder ter sua parcela de contribuição nessa história de sucesso, com o uso do nosso coalho.

Leia a matéria original na íntegra abaixo ou no link: https://www.cnabrasil.org.br/noticias/grupo-do-ateg-agroindustria-tem-r-8-milhoes-de-receita-bruta-anual

———————————————————-

Grupo do ATeG tem R$ 8 milhões de receita bruta anual


10/05/2022 . SISTEMA FAEMG, SENAR

“O aumento de 10,33% no rendimento gerou mais R$ 700 mil de faturamento no grupo do ATeG Agroindústria Derivados Lácteos e uma receita bruta de R$ 8 milhões”. Esses números foram apresentados durante a reunião para apresentação de resultados, em Santo Antônio do Jacinto.

De acordo com o supervisor do ATeG, Sheider Santos, os fatores que mais contribuíram para esse resultado foram a utilização de lira, adequação de ponto de corte da massa, ‘mexedura’ da coalhada, utilização de coalho de melhor performance e custo (adquirido em compra coletiva) e a adequação de padrões na higiene da produção. “Com essas mudanças, profissionalizamos a cadeia na região e melhoramos a qualidade do produto, tornando-o mais disponível para novos mercados”, argumentou.

Com a assistência técnica e gerencial do Sistema FAEMG, os produtores puderam entender a necessidade de investimentos em tecnologia e aplicaram medidas corretivas, instruídas pela técnica de campo Luciana Godinho. “Analisamos o custo operacional das queijarias, das maiores até as menores. Ficou nítido que os produtores que vendem sem intermediários não tinham a maior receita bruta, mas melhor margem, em função do preço de venda”.

O casal Luziano Aparecido Queiroz de Araújo e Geisla Pereira de Carvalho relembra o início do atendimento do ATeG. Segundo Geisla, tudo era feito na correria, e a técnica de campo mostrou que precisava de atenção para ter resultado. “Aprendemos a ter mais paciência e fizemos alterações na produção. Não usávamos lira e o nosso coalho hoje é com a quimosina. Gastávamos dez litros de leite para fazer uma peça de queijo e era uma festa quando isso acontecia, pois achávamos que estava ótimo. Hoje, gastamos menos de nove litros”, confessou.

Adequações

A técnica Luciana conta que a ação corretiva comum a todos, e talvez a mais marcante, foi a aquisição de liras. “Antes do ATeG, eles quebravam com agressão a coalhada – muitos com a pá e outros com a mão, o que não era indicado também por causa da higiene. Junto com a lira, eles conseguiram comprovar que fazia diferença para o corte da coalhada e a adesão foi unânime. Todos ganharam mais queijos por dia! Em uma semana, os nossos atendidos pagaram, já com os ganhos na produção após as novas ações, o investimento com a ferramenta”.

Outra mudança assertiva foi a alteração do coalho, mudança que veio após a técnica de campo apresentar amostras de outras marcas para que os produtores identificassem alguma diferença. “E assim aconteceu, tanto no sabor, como no desempenho, pois melhorou o rendimento”, afirmou Luciana.

Além de melhorias na produção, o grupo entendeu a importância do gerenciamento e a noção de que tudo o que está relacionado à propriedade compõe o custo. “Não fazíamos contabilidade e apenas anotávamos gastos com combustível, funcionário e o leite. Hoje, anotamos energia, caixas, rodo, embalagens. Com tudo organizado, dá para ver se estamos lucrando ou não”, completou Geisla.

O crescimento do negócio favoreceu o bolso e também a qualidade de vida do casal. “Quando o ATeG começou, o meu esposo estava em outro emprego e também trabalhava na nossa propriedade. Era uma correria! Depois de tantas melhorias, ele saiu do antigo trabalho e estamos juntos na queijaria. Hoje, trabalhamos para viver! Antes, a gente vivia para trabalhar. Conseguimos ter tempo para o lazer e conviver mais em família”.

Desafios

O grande gargalo para a cadeia, em termos de certificação e regulamentação, é a falta de inspeção local. Segundo o gerente regional do Sistema FAEMG, Luiz Rodolfo Antunes Quaresma, o Serviço de Inspeção Regional (SIR), viabilizado pelo Consórcio Intermunicipal Multifinalitário do Baixo Jequitinhonha (CIMBAJE), viabiliza a formalização dos produtos de origem animal, que são responsáveis por uma grande movimentação econômica e geração de renda e emprego na região.

“A gente tem que colaborar com o crescimento técnico e gerencial, mas também viabilizar a regulamentação, trazendo qualidade, segurança e valor aos produtos. O empenho do setor público é fundamental”, ressaltou o gerente.